Umas e Outras: a sua diversão!
quase perde a paciência!
Preciso de um vestido!
Crônicas de Clotilde Tavares publicadas no jornal Tribuna do Norte
Publicada em 30 de outubro de 1999.
Veja mais:
Hoje quero usar o espaço desta coluna para um apelo. É que estou precisando desesperadamente encontrar uma loja onde eu possa comprar um vestido. O meu caro leitor já deve estar pensando que eu pirei de vez e eu lhe respondo que poucas situações no mundo são tão carregadas de significados ocultos e de estresses psicológicos como essa em que me vejo agora: a situação de uma mulher, precisando de um vestido novo.

Explico melhor. A indústria de confecções, o pessoal das griffes ou seja lá quem for que fabrica roupas neste país hoje em dia pensa que toda mulher tem um metro e setenta e cinco de altura, cinqüenta e cinco quilos, cinqüenta e dois centímetros de cintura e busto tamanho quarenta. Mas não é só isso.

As vendedoras, quase todas esquálidas moçoilas vestidas com roupas das griffes que vendem e com cara e atitude de modelos famosas, não fazem o menor esforço para arranjar algo que sirva para esta colunista que vos fala, com meus saborosos sessenta quilos distribuídos agradavelmente por um metro e meio de altura.

Outra coisa estranha é a questão do decote. Gosto de decotes. Aliás, o colo é uma das coisas mais bonitas e charmosas que as gordinhas possuem, devidamente valorizado pelos decotes. Pois bem: nas lojas só existe roupa decotada para quem tem busto mínimo que, aliás, torna o decote desnecessário. Mostrar o que não existe? Pois é.

Ai, como sofro nestas lojas! Deve ser esse o castigo que o céu me reservou por ter abusado das tortas, chocolates e biscoitos de que gosto tanto. Uma das vendedoras chegou a me olhar de alto a baixo e dizer: “Se a senhora emagrecesse...” Pode? Minha linda, a sua roupa é que tem que servir para mim e não eu me sacrificar para entrar na sua roupa. Onde já se viu? 

Mas na maioria das vezes as vendedoras não falam. Comunicam-se em silêncio, numa linguagem secreta de olhares e movimentos de sobrancelhas que aprendi a decifrar. Quando entro na loja, elas em olham e uma sinaliza para a outra: “Outra gorda!” A resposta vem, em silêncio: “Não tem nada na loja que sirva para essa baleia”.

Foi assim sexta-feira passada, onde arrastei por todas as lojas a minha figura fofa e quase à beira de uma ataque de nervos, pois precisava do vestido para um compromisso social, que acabei deixando de ir por falta de roupa.

O pior de tudo é que, apesar das minhas medidas serem excessivas para as griffes chiques deste meu país brasileiro são ainda muito reduzidas para as lojas onde se vende roupas para gordas. Nelas descubro que para ser gorda de verdade eu teria também que ser alta, já que as blusas que provo arrastam pelo chão, como vestidos longos.

Então, caro leitor, aqui fica o meu apelo. Se você conhece algum lugar onde se venda roupas para mulheres que nem eu, tipo mignon, fofinhas e felizes, e onde as vendedoras sejam simpáticas, gostem de agradar os clientes e de vender, é só me avisar.
.

[email protected]